Ao sabor do futebol

Padrão

Tanto me exigiu e me pediu mil coisas, que com a fúria da provocação eu disse sim ao futebol. Levantei do sofá tonta com o contraste da moleza de até então, e disse palavras irônicas e impacientes.

Procurei a bola no lugar errado, bati uma porta barulhenta e vi meu filho de olhos arregalados e sorriso excitado assistir meus movimentos agressivos.

Chutei. Com toda a força da minha perna direita, lábios apertados. Uma bomba categórica, como nos velhos tempos. Os três primeiros lances do jogo foram gols meus, estourados no muro de chapisco.

O anjo da guarda, com a faixa de capitão, protegeu o nariz do Davi e a minha consciência de jogadas perigosas.

“Você tá gostando?”; “Nossa, mamãe, você joga muito bem!”; “Puxa, você conhece muito as regras do futebol”, ele me dizia elogios, voz querida e sedutora, gratidão e remorso misturados. O jogo terminou doze a um pra mim. Antes de perder mais feio ele interrompeu a partida, divulgando os resultados, com uma positividade inventada ali mesmo.

Ouvindo-o narrar o jogo, com um estilo tão menino e tão universal, deixei ecoar em minha memória o som forte das trombadas da bola murcha na parede. Estava ali com toda a força dos meus músculos revoltados (até pelo arrependimento de não ter dito um sim livre e natural). Mas o que me fez jogar tão bem não foram os meus tênis rosa choque ou meu merecido condicionamento físico. O que contribuiu na qualidade do meu desempenho foi a memória muscular do espaço, a memória auditiva do som do gol, a memória sensorial do sol no rosto e, principalmente, a memória emocional da competitividade que menininhos vaidosos e competitivos provocam, desde sempre, em meu ser.

Transpirando e pirando, corri, pulei, mirei, chutei e – o mais difícil – segurei o sorriso que insistia em surgir no cantinho dos meus lábios a cada gol sortudo, a cada bomba eficaz e a cada vez que via o Davi admirado.

“Quando o menino joga futebol e corre muito, sai água da cabeça”, me disse hoje o Pedro, explicando, como ninguém, o suor. Nesta partida relâmpago, não eliminei apenas água salgada, mas também culpa amarga, críticas ácidas, humor azedo e muitas, muitas doces memórias.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s